Cuidado com clínicas de estética e emagrecimento

Confira os cuidados que a Fundação Procon-SP recomenda antes de contratar os serviços de uma clínica de tratamento estético ou emagrecimento

A técnica da área de saúde da Fundação Procon-SP – órgão de defesa do consumidor vinculado ao governo estadual – , Hilma Araújo dos Santos, dá um série de dicas ao consumidor que pretende contratar um tratamento estético ou de emagrecimento. Veja abaixo os cuidados que o consumidor deve tomar antes e depois de contratar este serviço:

 

  • O consumidor deve ter certeza de que ao realizar o tratamento será oferecida avaliação e acompanhamento médico. Apenas um médico pode aconselhar e orientar quando à eficácia e desenvolvimento do tratamento. O médico é o único profissional capaz de avaliar se a pessoa pode ou não realizar um tratamento de emagrecimento, por exemplo. Emagrecer demais em pouco tempo pode colocar a vida do consumidor em risco.
  • Antes de assinar o contrato, o consumidor deve conferir quais serão os métodos e aparelhos utilizados pela clínica. O consumidor deve estar ciente dos efeitos colaterais e possíveis riscos para a saúde, principalmente daqueles que possuem problemas, como alergia, diabetes e problemas cardíacos.
  • O consumidor deve sempre realizar uma visita prévia às dependências da clínica de sua preferência para verificar as condições de higiene e dos aparelhos que serão utilizados no tratamento. O consumidor deve checar se o estabelecimento utiliza materiais descartáveis para uso pessoal, como seringas e agulhas, e esteriliza os objetos de uso coletivo, como toalhas.
  • O contrato deve ser claro e trazer todas as informações sobre os passos do tratamento. Caso o consumidor não concorde ou queria incluir alguma cláusula no contrato, ele deve exigir uma correção no contrato. Se a empresa não realizar a correção, o consumidor não deve assinar o contrato, pois a empresa pode ter algum problema.
  • O consumidor deve verificar qual o preço total do tratamento e o preço de cada sessão. Caso o consumidor queira reincidir o contrato, precisa saber qual o valor de cada sessão para ser ressarcido pela clínica. De acordo com o Procon-SP, está no Código de Defesa do Consumidor (CDC) o direito do consumidor receber de volta o dinheiro das sessões não realizadas.
  • Os prazos de resultado do tratamento também devem ser verificados. O consumidor deve saber quais serão as datas de início e término do tratamento e também do prazo para que apareçam os primeiros resultados e a quantidade de sessões necessárias para finalizar o tratamento estético ou de emagrecimento.
  • Antes de iniciar o tratamento, o consumidor deve verificar se a agenda da clínica tem horários disponíveis para o seu tratamento. Isso porque a agenda lotada pode significar um tratamento mal feito, pois as sessões do tratamento podem não ser feitas no ritmo necessário e, conseqüentemente, sem o efeito desejado pelo paciente.
  • O consumidor deve tomar cuidado com as dietas alimentares propostas pelas clínicas durante o tratamento estético. As clínicas costumam alegar que o consumidor não atingiu o resultado do tratamento porque não seguiu a dieta proposta. O consumidor deve consultas um médico especializado para realizar uma dieta alimentar para não prejudicar a saúde.
  • Nos tratamentos de emagrecimento ou redução de medidas, o consumidor deve exigir uma cópia das fichas de controle de peso e medidas.

 


Contratos apresentam problemas

Os contratos de prestação de serviço de clínicas de emagrecimento e estética muitas vezes apresentam cláusulas abusivas, publicidade enganosa e qualidade dos serviços e produtos oferecidos. Estes problemas estão sendo registrados pela Fundação Procon-SP – órgão de defesa do consumidor vinculado ao governo estadual. Os números de reclamações contra este serviço vêm crescendo nos últimos dois anos.

A técnica da área de saúde do Procon-SP, Hilma Araújo dos Santos, afirma que a maioria das propagandas realizadas por estas empresas mostra pessoas ou modelos que conseguem resultados milagrosos de perda de peso e de melhora da pele, por exemplo. “Muitas dessas promessas são impossíveis, enganosas. Isso porque as pessoas possuem organismos diferentes e têm diferentes reações aos tratamentos. A publicidade precisa ser mais honesta”, alerta Hilma.

Os contratos também apresentam uma série de problemas como: cláusulas abusivas, não devolução do preço inicial em caso de desistência e a falta de informação sobre o serviço. O contrato deve ser claro e incluir todas as informações que foram combinadas verbalmente. “O consumidor deve guardar todo o material publicitário, pois ele faz parte dos dispositivos contratuais”, avisa a técnica do Procon-SP.

Contrato
O contrato deve trazer entre suas cláusulas o número de sessões contratadas, o preço total do tratamento estético, e o valor de cada sessão em separado, as formas de agendamento da sessão, o período do tratamento (data de início e término), os equipamentos que serão utilizados no tratamento, os produtos e profissionais envolvidos na prestação do serviço.

Hilma recomenda ao consumidor procurar uma clínica de confiança, apresentada por amigos ou parentes, pois além de proporcionar o resultado esperado, o tratamento de baixa qualidade pode prejudicar a saúde. “As clínicas devem realizar uma avaliação médica antes do início do tratamento. O consumidor deve ter um acompanhamento clínico durante todas as sessões do tratamento para evitar prejuízos à saúde”, alerta a técnica do Procon-SP. O consumidor pode consultar também o Cadastro de Reclamações Fundamentadas do Procon-SP pelo telefone 3824-0446 para verificar se a empresa não possui nenhuma reclamação registrada.

Outro problema enfrentado pelo consumidor é quanto à falta de qualidade e eficácia dos serviços prestados. Hilma afirma que muitos consumidores não ficam satisfeitos com os serviços prestados e questionam a publicidade veiculada pelas clínicas. “O consumidor reclama que os resultados obtidos não são satisfatórios e as clínicas alegam que o cliente não seguiu todas as determinações corretamente”, explica a técnica do Procon-SP.

Número de queixas no Procon está crescendo
O número de reclamações contra as clínicas de tratamento estético ou de emagrecimento cresceu nos últimos dois anos. De 1999 para 2000 o número de reclamações cresceu 170%. Em 1999, o Procon-SP registrou 123 consultas e 23 reclamações. Já no ano passado, o órgão recebeu 352 consultas e 62 reclamações contra clínicas do setor. Em 2001, entre janeiro e junho, os consumidores registraram 92 consultas e 22 reclamações.

Se você busca por informações sobre emagrecimento, clique aqui e confira algumas dicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *