Consumidora acha pedaços de vidro em lata de leite em pó, e Estado determina que lote seja recolhido

              
Ao comprar uma lata de leite em pó Ninho fases 1+, da Nestlé, para a filha de apenas seis meses, uma consumidora não imaginava o que iria encontrar no interior da embalagem: cacos de vidro. 

Os objetos cortantes foram descobertos quando a irmã da cliente feriu o dedo ao tentar identificar o item. 

Surpresa, a jovem buscou o Procon-RJ e denunciou a empresa. Ela foi encaminhada à Delegacia do Consumidor onde foi feito o registro de ocorrência. A lata de leite foi encaminhada para a perícia. 

A lata foi comprada, no domingo, no Supermercado Mundial, da Ilha do Governador.


— Fiquei indignada por isso ter acontecido com a Nestlé, que é uma marca tão conhecida. Acidentes acontecem mas, poderia ter ocorrido coisa muito pior com a minha filha — disse a consumidora, que preferiu não se identificar. 


De acordo com o Procon-RJ, a Secretaria de Estado de Proteção e Defesa do Consumidor determinou que a entidade providenciasse o recolhimento de todas as unidades do lote 2306046021 0707. 


Equipes de fiscalização do órgão seguiram para o os supermercados e, farmácias da Ilha do Governador para recolher todo o lote do produto denunciado. 


O Procon-RJ notificou a Nestlé que deve apresentar em até 24 horas a relação de todos os estabelecimentos para os quais foram distribuídos os produtos do lote em questão.


Até que a perícia indique que não há objetos cortantes no inteior das latas de leite em pó, tudo será recolhido. 


Procurada, a assessoria de imprensa da Nestlé não foi localizada.  

http://www.endividado.com.br/noticia_ler-35254,.html

Consumidor que ingeriu iogurte com mofo será indenizado

                 
A Nestlé Brasil LTDA e o Carrefour terão que indenizar em R$ 2 mil consumidor que ingeriu iogurte com mofo. A decisão é da Terceira Turma Recursal Cível dos Juizados Especiais Cíveis (JEC) do RS, confirmando sentença de 1° Grau, proferida na Comarca de Santa Maria. 

O autor ingressou com ação de reparação de danos materiais e morais contra o fabricante do iogurte e o estabelecimento que vendeu o produto. Em 1° Grau, a Juíza Karla Aveline de Oliveira, do JEC de Santa Maria, condenou a Nestlé e o Carrefour ao pagamento solidário da indenização. Inconformado, o fabricante ingressou com recurso.

Decisão

Para a relatora, Juíza Adriana da Silva Ribeiro, o autor comprovou o problema no produto através de nota fiscal, de fotos e do registro de Boletim de Ocorrência, relatando os fatos deduzidos na inicial, de que o iogurte estava contaminado com mofo. Além disso, a repulsa causada pela ingestão do alimento também foi comprovada, na avaliação da magistrada, através dos receituários indicando medicamentos próprios para indisposições estomacais. 

O fato narrado atinge a segurança alimentar do consumidor, assim, aplica-se o artigo 12 do CDC, com relação à responsabilidade civil, pois está plenamente identificado o fabricante. Por conta disso, tenho que o dano moral resta comprovado e evidente, consistente na repugnância experimentada pela recorrida, destacou a magistrada. 




http://www.endividado.com.br/noticia_ler-35194,.html