Consumidor deve ficar atento às compras em supermercados

O consumidor deve ficar atento às compras em supermercados. O alerta é do especialista em consumo Dori Boucault. A atenção, segundo ele, vai além da validade dos produtos. Existe ainda a preocupação em relação a problemas de saúde. É o caso da dona de casa Edilene Santos. Ela teve problemas ao comprar um sabão em pó.
“Quando abri a caixa senti que o cheiro do produto estava diferente. De repente aquele produto entrou no meu nariz e garganta e eu passei mal”, detalha a mulher. Com a nota fiscal em mãos, ela levou o produto de volta ao supermercado. O problema é que eles não quiseram trocar. “Disseram que só

iam trocar se a caixa estivesse fechada”, explicou a dona de casa.

O supermercado orientou a mulher a entrar em contato com o fornecedor, conforme explicou o gerente Carlos Eduardo Oliveira: “Neste caso a gente pede para que o cliente entre em contato com o fornecedor. Se o produto estivesse fechado nós trocaríamos”, detalha.
Representantes do produto vieram até a casa da mulher, mas para a surpresa dela, eles tentaram oferecer um sabão em pó de qualidade inferior. “O que eu queria mesmo era saber o que aconteceu. Porque eu fiquei passando mal com o cheiro estranho do produto”, disse a mulher.
De acordo com Dori Boucault o supermercado tinha que trocar o produto. “É impossível dar uma alegação que não troca porque a pessoa abriu. Afinal, o consumidor precisa abrir e, depois disso detectar o problema. Nestes casos, é bom fotografar o produto estragado”, detalha.
Dori diz ainda que neste a consumidora poderia ser indenizada. “Os fornecedores não teriam de trocar o produtor por um outro de qualidade inferior. Além disso, eles tinham que indenizar a mulher com remédios, já que ela passou mal. Cabia uma ação cível e administrativa.”

http://g1.globo.com/sp/mogi-das-cruzes-suzano/noticia/2013/05/qconsumidor-deve-ficar-atento-compras-em-supermercados.html

Consumidor deve ficar atento a letras miúdas em anúncios, diz especialista

Consumidor deve ficar atento a letras miúdas em anúncios, diz especialista (Foto: Reprodução/TV TEM)
Especialistas em Direito do Consumidor alertam: prestar atenção nas letras miúdas no roda pé de propagandas pode evitar problemas na hora de fechar a compra. As informações trazem cláusulas restritivas, que podem representar armadilhas para o consumidor.
Em Sorocaba (SP), o chefe de fiscalização do Procon, José Antônio de Oliveira Junior, diz que as letras fazem parte das ações dos comerciais. Para ele, é importante que o consumidor seja bem informado. “É preciso que eles entrem em contato com as empresas, pelo site, por exemplo, ou observe bem as letras miúdas, para que assim ele tenha o máximo de informação possível”.
Nas letras pequenas dos anúncios publicitários é possível observar regras,

prazos e outras explicações que podem pesar no bolso.

O motorista Edevaldo do Carmo confessa que não presta a devida atenção. “Eu nunca leio. Se fui enganado, nem sei”, comenta.
De acordo com Fábio Cenci, advogado especialista em direito do consumidor, ainda são poucos os casos de reclamações. “Os órgãos fiscalizadores só podem autuar ao receber as reclamações, então é muito importante que o consumidor reclame ao ser desrespeitado”, ressalta o advogado.

http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2013/05/consumidor-deve-ficar-atento-letras-miudas-em-anuncios-diz-especialista.html

Óculos ‘de farmácia’ são acessíveis, mas consumidor deve ter atenção na hora de comprar

A venda de óculos de leitura em farmácias é cada vez mais comum, mas o consumidor deve abrir bem os olhos, antes de adquirir o produto nas drogarias.

Em dez estabelecimentos visitados pelo EXTRA, três ofereciam o acessório: Drogaria Venâncio, Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo. Os preços, entre R$ 24,90 e R$ 49,90, podem ser atraentes, mas o atendimento preocupa. Farmacêuticos não sabiam apontar como descobrir o grau ideal das lentes nem se os óculos também poderiam ser usados para ver de longe.

As “lentes de aumento” vendidas nas farmácias são indicadas apenas para casos de presbiopia, mais famosa como “vista cansada”. Mas os oftalmologistas recomendam seu uso somente em emergências.

Óculos podem deixar a vista desconfortável

A venda de óculos em farmácias é cercada de polêmica. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não autoriza a comercialização das “lentes de aumento” em drogarias, também condenada por especialistas. Segundo o presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Marco Rey, o uso das lentes pode gerar desconforto.

— Além de ser comum o paciente ter graus diferentes nos dois olhos, quem não vai ao oftalmologista deixa de fazer exames que ajudam a diagnosticar diabetes e glaucoma, por exemplo.

A aposentada Mônica da Silva, de 52 anos, não abre mão da praticidade de seus óculos de farmácia.

— Eu levo eles sempre comigo, para me ajudar a ler a conta ou assinar algum documento na rua. Mas tomo cuidado para evitar leituras longas, porque sei que faz mal.

Abrafarma defende a autorização

O presidente da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), Sérgio Mena Barreto, defende a venda dos óculos de leitura nas drogarias. Segundo ele, o consumidor pega o acessório por sua própria conta:

— Ele é mais um quebra-galho. O farmacêutico não tem obrigação de conhecer todos seus aspectos, como não tem que ensinar a usar uma tinta de cabelo.

Em 2009, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a venda de alimentos e de produtos de conveniência nas drogarias. No ano seguinte, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu essa liminar e, desde então, as farmácias têm se guiado por leis estaduais, que autorizam a prática.

http://www.endividado.com.br/noticia_ler-35524,.html