Procon alerta sobre os direitos do consumidor nas compras de Páscoa

Na hora de ir às compras para a Páscoa, muita gente deixa de verificar se o produto que está levando para a casa está dentro do prazo de validade ou se foi armazenado corretamente.  Para evitar problemas e dor de cabeça, o Procon de Tatuí (SP) orienta os consumidores para estarem atentos a esses itens.
Segundo o coordenador do órgão na cidade, Adilson Diniz Vaz, as recomendações são válidas tanto para a compra dos ovos de chocolate industrializados, ovos caseiros e também no caso de levar para a casa peixes. Vaz recomenda que

nos casos dos ovos, o consumidor deve observar, além da validade dos produtos, se eles estão bem embalados e em ambientes adequados. No caso dos caseiros, é importante verificar se eles são feitos dentro de padrões de qualidade e higiene. Sobre os ovos voltados para o público infantil, principalmente os que trazem brinquedos, o consumidor tem direito em reclamar em caso de produtos danificados. Também é preciso observar a indicação etária das peças. “Ocorre que muitas vezes o brinquedo chega danificado. Portanto, a primeira recomendação ao comprar esse tipo de ovo de chocolate é chegar em casa e verificar se há algum problema com o brinquedo. Se houver, deve pegar a nota fiscal e se dirige até o comércio e relatar a reclamação. Não sendo resolvido, o consumidor deve procurar o Procon para tomar as devidas providências. Os pais também não devem deixar de observar sobre a qualidade dos brinquedos. Todos devem estar certificados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e ser compatível à idade da criança que recebeu o presente”, diz.

Além dos chocolates, a compra de peixes, que também tem aumento nessa época da quaresma, deve ter cuidados parecidos. O Procon orienta que o consumidor também fique atento ao prazo de validade, a higiene do local que vende e ao armazenamento. Os peixes congelados, por exemplo, devem ser mantidos em freezeres, mas que não estejam superlotados. Os produtos e o comércio devem ter registros dos órgãos de fiscalizações competentes. O bacalhau, que tem maior procura nesta época, deve ter a procedência identificada.
Se o consumidor perceber que os produtos não são vendidos de maneira correta, o indicado é denunciar o caso ao órgão. “E mesmo após a compra, se o consumidor encontrar o produto com a validade vencida ou com alguma suspeita, ele deve se dirigir ao Procon com a nota fiscal para resolver a questão”, ressalta Vaz.

http://consumidorbahia.blogspot.com.br/2013/03/procon-pb-orienta-consumidor-que-tem.html